SEJAM BEM VINDOS! A terra é uma só. A humanidade é uma só. A FELICIDADE é uma só.

Posts tagged ‘depressão’

Ansiedade – como controlar o mal do século by Andrea Taiyoo

ANSIEDADE, ânsia ou nervosismo é uma característica biológica do ser humano, que antecede momentos de PERIGO REAL  ou IMAGINÁRIO, marcada por sensações corporais desagradáveis, tais como uma sensação de vazio no estômago, coração batendo rápido, medo intenso, aperto no tórax, transpiração, e outras alterações associadas à disfunção do sistema nervoso autônomo.

 

Tanto a ansiedade quanto o medo, não surgem na vida da pessoa por uma escolha. Acredita-se que vivências interpessoais e problemas na primeira infância possam ser importantes causas desses sintomas. Além disso, existem causas biológicas como ANORMALIDADES QUÍMICAS NO CÉREBRO ou DISTÚRBIOS HORMONAIS. ANSIEDADE  é um estado EMOCIONAL que se adquire como consequência de algum ato.

SINTOMAS:

  • Fadiga
  • Insônia
  •  Falta de ar ou sensação de sufoco
  • Picadas nas mãos e nos pés
  •  Confusão
  • Instabilidade ou sensação de  desmaio
  •  Dores no peito e palpitações
  • Afrontamentos, arrepios, suores, frio, mãos úmidas
  •  Boca seca
  • Contrações ou  tremores incontroláveis
  •  Tensão muscular,  dores
  • Necessidade urgente de defecar ou  urinar
  • Dificuldade em  engolir
  • Sensação de ter um “nó” na garganta
  • Dificuldades para relaxar
  • Dificuldades para dormir
  • Leve tontura ou vertigem
  • Vômitos incontroláveis
  • Sensação de impotência
  • O TRATAMENTO é feito com PSICOTERAPIA e MEDICAMENTOS, dentre os quais ansiolíticos e  antidepressivos. É sempre importante que o paciente consulte um médico, pois esses medicamentos são normalmente controlados. É claro que estes medicamentos são muito importantes, mas se forem retirados a ansiedade aparece novamente. É preciso, então, escolher uma psicoterapia para analisar e enfrentar as causas psicológicas deste transtorno.

SOFRIMENTO X ANSIEDADE

 Qual a relação entre o sofrimento e a ansiedade? Bem, vamos lá,  a maioria dos sofrimentos que passamos na vida,  seja em qualquer área, é um indicador de que fizemos algo em desacordo com os princípios divinos ou as lei dos homens.  Normalmente quando estamos sofrendo, seja por doença, falta de dinheiro, desarmonia ou outro,   costumamos ansiar a mudança desses quadros mas, a ansiedade também nos causa mais doenças.

O melhor a fazer quando estamos sofrendo qualquer tipo de mal é: orar, pedir perdão a Deus e também pedi-Lo orientações no que precisamos mudar. Não esquecer de  que  tudo que acontece na nossa vida tem a permissão do criador, e com isso tentar achar o lado positivo da situação negativa, que  sempre tem, e assim evoluir espiritualmente e mentalmente.

PENSAMENTOS NEGATIVOS x ANSIEDADE

Somos seres pensantes, conscientemente ou inconscientemente a nossa mente pode fabricar entre doze mil a sessenta mil pensamentos por dia. Muitos pensamentos são intrusivos, negativos, depreciativos, ansiosos, preocupantes. Evidentemente que todos nós temos estes tipos de pensamentos e, em alguns momentos podem fazer sentido e até serem benéficos. Mas quando são recorrentes, incisivos e em retorno temos consciência que nos afetam negativamente, lidar com eles pode ser um tormento. Muitos de nós usamos o nosso pensamento como munições contra nós mesmos, muitas vezes por dia, mesmo sem estarmos cientes. Como a mente  não sabe o que  é real ou imaginário, se você começar a pensar constantemente coisas negativas e a sentir medo de algo que poderá ou não acontecer com você ou com um ente querido no futuro, o corpo se prepara para algum momento de tensão e dispara adrenalina e esse hormônio em excesso causa vários sintomas de desconforto no nosso corpo. Por isso, pensar positivo, ser otimista , sempre está em vantagem com  quem é negativo e pessimista,  e mesmo que ocorra o que você temia no futuro, até lá pelo menos você sofreu menos. Em resumo, não devemos sofrer por antecipação.

A ansiedade pode atingir quaisquer pessoas. Contudo, as mulheres estão mais propensas do que os homens. Além disso, a faixa etária de maior incidência é de 30 a 59 anos.

Participe da campanha e do novo movimento:

 

Aproximadamente 400 milhões de pessoas sofrem de depressão e 850 mil pessoas morrem por ano vítimas de suicídios devido a essa doença

Segundo dados da OMS, a depressão será uma das doenças que mais vai matar em todo o mundo nos próximos 20 anos, o que faz dela um grande inimigo para qualquer um de nós.

Por isso é tão importante conhecê-la, tanto para poder se prevenir contra ela, como para ajudar alguém que esteja perto de nós e que já esteja com os sintomas de um estado de depressão.

Como detectar e vencer a depressão

Annie, 36 anos, vive com seu marido e dois filhos. O que ela vive dificilmente pode ser chamado de vida. Durante a maior parte do dia, está com medo e ansiosa. Medo de nada em particular, mas ainda assim, medo. Freqüentemente está tensa, com aparência cansada e olhar perdido. Por vezes, chora sem saber a razão. O sorriso de suas crianças não lhe causa muito impacto. À noite, é vítima de insônia. “É horrível, assustador, já não agüento mais”, ela me confidenciou.

“Não me sinto disposta a fazer nada. Não consigo fazer as tarefas, não vou a lugar nenhum. Eu não quero ver ninguém. Vivo deitada, apesar de não conseguir dormir. Apenas me deito e fico pensando em meus problemas. A comida me dá nojo. Perdi cinco quilos nas últimas semanas. Por vezes, penso que seria melhor pôr um fim a esse pesadelo.”

Annie é uma vítima da depressão, a mais comum de todas as desordens mentais e queixas de saúde. Em todo o mundo, aproximadamente 400 milhões de pessoas sofrem de depressão. As estimativas variam de 12 a 14% da população mundial.

Os sintomas mais comuns são melancolia, perda de interesse ou prazer, sentimento de culpa, baixa auto-estima, transtornos do sono, falta de apetite, pouca energia e baixa concentração. No pior dos cenários, a depressão pode levar ao suicídio, uma trágica fatalidade associada à perda de cerca de 850 mil vidas a cada ano.

O quadro é preocupante. O pior é que dois terços das pessoas que sofrem de depressão não buscam ajuda. Porém, mais de 80% entre aqueles com depressão clínica melhoram significantemente com tratamento.

Tipos de depressão
Pesquisadores têm sugerido diferentes subtipos teóricos de depressão. São eles:

1. Depressão maior
é a condição na qual alguém se sente deprimido o tempo todo, sem interesse em nada. Há perda de apetite, insônia, ansiedade, fadiga, dúvidas e tendências suicidas.

2. Distimia é uma depressão mais prolongada (mínimo de dois anos para adultos e um ano para crianças e adolescentes), com sintomas similares à depressão maior, mas com menor intensidade.

3. Depressão bipolar é uma condição caracterizada pela presença de depressão maior e episódios de mania. É um estado anormal da mente, expansivo ou irritável, que pode durar por uma semana, com ilusões de grandeza, ausência de sono, falando mais do que o usual, pensamentos dispersos, ativismo e agitação psicomotora.

4. Ciclotimia é similar à desordem bipolar, mas de maior duração e menor intensidade.

Os dez mandamentos antidepressão

Há dois modos básicos de combater a depressão: com psicoterapia e terapia farmacológica. A pessoa deve ser avaliada por um psiquiatra que prescreverá tratamento adequado. A psicoterapia mais efetiva é a cognitivo-comportamental. Ela permite aos pacientes adquirirem novas habilidades em seu modo de percepção, compreensão e de reação às dificuldades, reduzindo a gravidade e duração da condição depressiva. Entre diversas formas para alcançar esse objetivo, gostaria de sugerir dez mandamentos antidepressão.

1. Intencionalmente lute contra pensamentos negativos. Os pensamentos negativos mais importantes são conhecidos como “Tríade Cognitiva Negativa”. São eles: (1) pensamentos e sentimentos negativos sobre si mesmo; (2) a tendência de interpretar o ambiente de forma negativa; e (3) a visão do futuro de modo pessimista. Por exemplo, Annie estava convencida de que era uma mãe ruim e uma péssima esposa. Pensava que seu esposo não a amava e com certeza a deixaria. Acreditava que a história depressiva de sua mãe se repetiria com ela.

Como combater esses pensamentos? Dois passos irão ajudar. Primeiro, detecte e descubra os pensamentos negativos. Segundo, confronte-os com evidências da realidade.

Pedimos a Annie que escrevesse suas situações negativas em um caderno com quatro colunas. As três primeiras colunas eram para ela descrever o evento, o que ela pensou e sentiu de acordo com a situação e que tipo de evidência ela possuía. Ela tinha que escrever na última coluna um pensamento positivo que substituísse o negativo. Por exemplo: um dia ela se encontrou com uma amiga que não a cumprimentou. Isso desencadeou pensamentos negativos. Aqui está o que ela escreveu:

Situação
Minha amiga passou perto de mim sem me cumprimentar.

O que senti e pensei
Eu penso que ela está brava comigo. Isso gerou medo e rejeição.

Evidência
Seu semblante sério e desagradável.

Pensamento alternativo
Pode ser que ela não esteja brava comigo e sim preocupada acerca de algo mais pessoal.

2. Quebre o circuito de idéias negativas. Annie pensou que seu marido se cansaria dela e a abandonaria. Dessa forma, se retraiu e adotou uma atitude desdenhosa. “Se ele vai me deixar, para que devo me preocupar com ele?”, pensava. “Você escutou o que ele disse quando entrou? Que eu não melhorarei novamente, como a minha mãe. O que ele quer é se ver livre de mim.” Tais pensamentos podem provocar uma resposta negativa do marido. Em troca, uma resposta negativa reforçaria seus sentimentos de rejeição e de futuro abandono. Annie estava presa em um círculo vicioso.

Como mudar estas idéias negativas? Uma maneira é confrontar tais pensamentos com a real situação. Na realidade, Omar, o marido de Annie, a amava muito e estava fazendo tudo para tornar a recuperação dela possível. Annie sabia que ela deveria preservar seu matrimônio e sua família, ser mais amorosa e cuidadosa. Assim, ao confrontar o negativo e reforçar o positivo, Annie poderia quebrar o círculo vicioso. Quando as atitudes mudam, tudo muda.

3. Evite pensamentos “absolutos”, do tipo “tudo ou nada”. “Omar nunca me amará novamente como antes.” “Tudo sempre dá errado.” Tais pensamentos e atitudes são típicos de pacientes deprimidos. A tendência é julgar as experiências, situações, pessoas e a si mesmo por duas categorias apenas: bom ou ruim, sempre ou nunca, santo ou pecador, etc. Para mudar esse modo de pensar, o método mais efetivo é o de introduzir tons no raciocínio com uma inclinação para o lado otimista. Por exemplo, Annie entendeu que ela teve o amor de seu marido, ainda que ele tenha se mostrado um pouco cansado em alguns momentos. Ela aprendeu a dizer: “Eu vou me sair vencedora com a ajuda de Deus.” “Existem coisas que faço que dão errado, mas existem outras que faço bem.”

4. Não critique e castigue a você mesmo.
Outra tendência de uma pessoa deprimida é estar permanentemente julgando suas ações, enfatizando os erros. Os deprimidos tendem a ignorar suas virtudes e focalizar as fraquezas. Esta autodepreciação incapacita e destrói. Por outro lado, o reconhecimento de virtudes constrói um novo futuro.

5. Exclua a tirania do “eu devo”. Quando se permite o crescimento do “eu devo”, este se torna um tirano permanente, fazendo demandas excessivas. Ao invés de “eu devo”, aprenda a adotar a atitude “eu preferiria.” O anterior é uma demanda tirânica, um fracasso que leva à baixa auto-estima. O posterior é uma aspiração, uma meta a alcançar. Se há um tempo em que os deveres precisam ser mais flexíveis, este tempo é quando você está deprimido.

6. Evite situações desagradáveis e estressantes.
Como ir a funerais, por exemplo. Tais eventos acrescentam tensão a um indivíduo, particularmente a alguém com tendência à depressão.

7. Reconheça seus valores e virtudes. Reconhecer a sua própria capacidade e valor pessoal faz parte do caminho do bem-estar.

8. Aprenda a desfrutar e obter satisfação no que você faz. Depressão é o resultado de um fracasso em desfrutar a beleza e as bênçãos da vida. Benjamin Franklin disse bem: “O homem rico não é aquele que tem tudo, mas o que desfruta tudo o que tem.” Aprender a reconhecer o bom e o bonito ao redor de nós é um salto transcendente à descoberta da felicidade de viver.

9. Promova esperança.
Desesperança é um componente essencial da depressão. A desesperança tem relação próxima com sintomas depressivos e tendências suicidas. Uma pesquisa sobre tratamentos para a depressão indica que a redução da desesperança é um fator importante de resultados bem sucedidos, particularmente durantes as primeiras semanas de tratamento.

Como lutar contra a desesperança? Desenvolvendo confiança em Deus, construindo autoconfiança, estimulando recursos pessoais e mobilizando forças mentais e espirituais para criar uma atmosfera esperançosa. Esperança é acreditar que sempre existe uma saída. Por isso, perguntamos a Annie: “O que você fará depois que superar a depressão? Como será o dia seguinte?” Planejando o futuro, para viver com seus filhos, ela foi capaz de visualizar uma vida feliz. Pouco a pouco, viu sentido na vida e a luz começou a surgir.

10. Confie em Deus. Envolvimento religioso é uma variável importante que recebeu atenção em recente literatura em depressão. Vários estudos de alto perfil indicam que certos aspectos de religiosidade (por exemplo, envolvimento religioso público, motivação religiosa intrínseca) podem ser inversamente relacionados aos sintomas depressivos. Ou seja, quanto maior o envolvimento religioso, menores serão os sintomas da depressão.

Texto: Mario Pereira

Um milhão de pessoas comete suicídio ao ano

pessimismo

Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), um milhão de pessoas comete suicídio ao ano. Os dados foram divulgados, juntamente com um pedido para que os governos tratem este problema de forma urgente.

O número significa que a cada 40 segundos, aproximadamente, uma pessoa tira a própria vida. E se o número de suicídios é alto, o número de tentativas é 20 vezes maior: 5% da população mundial vai tentar tirar a própria vida pelo menos uma vez durante sua existência.


O suicídio é a maior causa de mortes evitáveis no mundo, matando mais que os homicídios e as guerras
(somados), sendo maior em países mais pobres, que também são os países menos preparados para prevenir o suicídio.

As taxas mais altas estão nos países da Europa Oriental, como a Lituânia e Rússia, e são menores na América Latina. Estados Unidos, países da Europa Ocidental e Ásia estão no meio da estatística, embora muitos países da África e do sudeste da Ásia não tenham estatística disponível.

Globalmente, o suicídio é a segunda maior causa de morte entre jovens entre 15 e 19 anos, com pelo menos 100.000 adolescentes se matando a cada ano.

Entre os adultos, a taxa de suicídio é maior entre os maiores de 75 anos, que usam os meios mais letais e tem menos chances de sobreviver às consequências de uma tentativa.

Além disso, os homens tem três vezes mais probabilidade de cometer suicídio, mas há três vezes mais mulheres que homens tentando o suicídio.


O Brasil apresenta menos de 6,5 suicídios para cada 100 mil habitantes, um número considerado baixo quando comparado com os 13 suicídios por 100 mil habitantes dos países que mais cometem suicídio
(a taxa de alguns países europeus). A média brasileira é de 25 suicídios por dia, número só inferior ao de mortes no trânsito e homicídios. Mesmo assim, são números preocupantes, que já despertam a atenção do meio acadêmico e do governo.

Fonte: HypeScience.com

Qual a sua opinião a respeito desse artigo?

Você já tentou se suicidar, conhece alguém que já tentou?
O que será que leva uma pessoa a querer tirar a própria vida, falta de Deus, amor egoísta, baixa autoestima, pessimismo….. ?

Deixe um comentário, talvez ele possa ser útil a alguém!

Felicidade Week: Ensinado você a ser mais feliz de 15 a 20 Outubro SP

Você sabia que é possível aprender a ser mais feliz?

Felicidade Week é um evento desenvolvido pelos profissionais do Instituto Pensament, estudiosos da ciência da felicidade e especialistas em qualidade de vida, bem-estar e saúde mental.

Este evento, sintetiza tudo o que os cientistas sabem atualmente sobre o que torna as pessoas felizes e o que podemos fazer na prática para atingir um bem estar sempre crescente. Além disso também aborda os tratamentos mais recomendados e comprovadamente eficazes contra a depressão e os transtornos de ansiedade.

Durante toda semana serão oferecidas diversas palestras e mini workshops em vários horários do dia.

E o que é melhor…. você poderá vir em quantas atividades quiser, sem pagar nada, apenas trazendo 1 kg de alimento não perecível .

Comece seu projeto de felicidade!

Conheça a programação completa e inscreva-se!

Traga seus amigos e familiares e vamos espalhar felicidade autêntica.

PROGRAMAÇÃO


Quarta-feira – dia 17/10

14h às 15h30 – Emagreça e mantenha seu peso saudável sem uso de medicamentos
Público: Todos
Ana Beatriz Sampaio e Catarina Vidal

18h às 19h30 – Conquiste maior bem-estar através do alongamento e da respiração diafragmática
Público: Todos
Ricardo Vaz

20h às 21h30 – Equilibre-se com a dieta do bom humor
Público: Todos
Ana Beatriz Sampaio


Quinta-feira – dia 18/10

14h às 15h30 – Abaixo a depressão!
Público: Todos
Cleny Labate

18h às 19h30 – A mente a seu favor para atingir seus objetivos esportivos
Público: Quem deseja iniciar ou aprimorar seu treino esportivo
Marcelo Abuchancra

20h às 21h30 – O bom uso das brigas na relação a dois
Público: Casais, noivos e namorados
Andrea Macedo


Sexta-feira – dia 19/10

14h às 15h30 – Profissão: como escolher a sua?
Público: Jovens em fase de escolha de carreira
Catarina Vidal

18h às 19h30 – A espiritualidade e o sagrado na construção de uma vida mais feliz
Público: Todos
Prof. Dr. Mario E. René

a partir das 20h – Sarau: música, poesia e pedras
Ricardo Vaz


Sábado – dia 20/10

10h às 11h30 – Pânico: uma questão de memória?
Público: Todos
Dra. Daisy Hernandes

12h às 13h30 – A importância do planejamento e educação financeira na construção de seus projetos de vida
Público: Todos
Rogério Nakata

Pessoas felizes são mais produtivas, afirma artigo

Na essência, os seres humanos são muito parecidos e na sua interioridade todos são maravilhosos. Não importa a cor, a cultura, a idade, o sexo ou a renda, todos fazem o seu melhor para serem felizes e bem-sucedidos.  A diferença é que também temos diferenças de conhecimentos, percepções, expectativas, ciclo de vida e experiências, e por estas e outras razões, a felicidade e o sucesso significam diferentes coisas para diferentes pessoas.

Na ânsia por atingir nossos objetivos, com frequência complicamos por de mais a existência, vivendo muitas vezes em gaiolas mentais, presos ao passado ou ao futuro. Poucos vivem o aqui e o agora!  Especialistas ousam afirmar que 75% das pessoas são propensas à depressão e potenciais clientes do prozac (antidepressivo), por viverem grande parte de seu tempo presas aos acontecimentos passados. Já 20% das pessoas tendem a ser ansiosas, por serem reféns do futuro que ainda não chegou. Somente 5% das pessoas vivem um minuto de cada vez e o presente é o único momento que é possível viver. Não há como fazer o passado retornar, ele valeu pela experiência que nos deixou e o futuro é probabilístico, só Deus sabe.

Nesta viagem, chamada vida, em muitos momentos chegamos às raias do ridículo. Corremos numa roda parada feito hamsters, fazendo um esforço descomunal, sem contudo sair do lugar.  A felicidade nos alcança mais facilmente quando paramos de correr atrás dela. Por gerações fomos educados ou melhor, deseducados,  com conceitos anti-vida, por exemplo: “é preciso fazer a guerra para alcançar a paz”. A mídia martelou o tempo todo nas nossas cabeças, que para ser, precisamos ter. Pela repetição a que fomos expostos, nós acreditamos. Por isso, mais e mais nos encontramos correndo em busca de uma felicidade condicional, que depende de coisas. Quanto mais buscamos a felicidade, mais distante dela nos encontramos.

A sociedade clama por líderes. Por toda parte vemos a falta de liderança e não é de se admirar esta carência. A alma humana está doente. Estamos rodeados de pessoas descentradas e desfocadas, e neste contexto é quase impossível exercer influência positiva sobre elas, motivá-las e formar equipes.

Mais do que conhecimentos e recursos financeiros, as empresas precisam de pessoas competitivas para alcançar os seus objetivos. Pessoas competitivas são pessoas felizes, que sabem fazer e dão o seu melhor. Grande parte das encrencas no mundo deve-se à inversão de valores. Principalmente as gerações nascidas após 1990 foram induzidas a conjugar os verbos da alta performance na ordem inversa – ter, ser e, de preferência, não precisar fazer. Seguir atalhos na vida é muito perigoso. O caminho da sabedoria é ser, para depois fazer e como resultado ter.

Com frequência, somos nós que criamos nossos problemas. Se você quer viver uma vida abundante, primeiro mude e amplie sua visão.  Decida agora desfrutar mais da vida. Não espere para ser feliz. A vida é para ser vivida e não para ser pensada. É tão simples assim, nós é que complicamos as coisas. Você é tão feliz quanto acredita ser.

Texto:  Jornal da net

Sindrome do pânico e depressão – Qual a cura?

 

 

As pessoas estão cada dia mais distante dos príncipios divinos, e de Deus,  estão focadas apenas no materialismo, esquecendo que são formada de espírito, mente e corpo. É de extrema urgência que saiam da  direção contrária a lei da verdade, voltem ao centro o quanto antes possível, o centro de tudo, claro que é Deus.

Talvez você também já tenha se perguntado,   porque será que as pessoas, estão cada dia mais com pânico de viver e depressivas?

Viver é uma arte, a vida é efêmera, mas, uma coisa é certa quem tem fé em Deus e acredita que ele o ampara, e busca contactar com Ele e com os filhos Dele, seja lá aonde for, em uma igreja católica, ou em uma igreja de crente, em centros espíritas, templos  e outros , estes se sentem mais fortes e amparados tem menos predisposição para entrarem em  depressão ou sindrome do pânico.

O exemplo que costumo dar para pessoas que estão enfrentando esses problemas, é: Pense  nas crianças, elas geralmente são felizes, mas, estão sempre próximas de seus pais, muitas pedem até para segurar na mão dela quando não conseguem dormir, dessa mesma forma somos nós filhos de Deus, precisamos segurar na mão do nosso criador, não podemos deixar que a vida material nos afaste dessa comunhão com Deus.

Existem pessoas que esquecem de agradecer a Deus, pensam por exemplo, quando conseguem aprender através de estudos, que é graças ao professor e a da própria pessoa de aprender, obviamente existe Aquele que, com uma sabedoria extraordinária, as concedeu. Sendo assim, é necessário agradecer em primeiro lugar Àquele que concedeu, de maneira misteriosa e invisível, tais capacidades aos seres humanos e, depois, agradecer ao professor. No entanto , muitos dizem que Deus não existe.

Agradeçamos a Deus Supremo, Deus criador do céu e da terra e de toda a humanidade, compenetradamente e a todo instante, tudo e a todos. A gratidão e a comunhão com Deus, são excelentes remédios para a sindrome do pânico e a depressão. Claro que, se estiver tomando remédios receitado pelo seu médico, deve continuar tomando até se fortalecer, mas, não esqueça que deve cuidar da parte espiritual e mental também para que isso aconteça.

Aguardem, em breve lançamento do livro a seguir:

Dieta dos Pontos

Com a Dieta dos Pontos ao invés de você controlar as calorias, você passa a controlar os pontos. Você pode comer qualquer coisa e cada ponto eqüivale a 3,6 calorias.

As mulheres devem somar 300 pontos diários e os homens 400 pontos.

A quantidade e a variedade são as principais características desta dieta que é uma verdadeira reeducação alimentar devido ao fato de você passar conhecer o valor de cada alimento que come.

A desvantagem está na dificuldade inicial de saber quais alimentos valem mais pontos.

Dr. Alfredo Halpern, Professor da USP – O Sistema de Pontos é uma filosofia, não uma dieta. Eu me formei em 1966 e, quando fui trabalhar no consultório, em 1969, já tinha feito residência em clínica médica, estava fazendo endocrinologia e aprendia de tudo, menos como resolver o problema da maioria de meus pacientes: o excesso de peso. Na verdade, de 70% a 80% da clientela de um endocrinologista é constituída por gente que quer emagrecer. Diante disso, pensei: já que o problema é esse, vou tentar resolvê-lo direito.

Naquela época havia pouco material sobre obesidade. Agora, há uma enxurrada tão grande que não é mais possível acompanhar tudo o que se publica a respeito do tema.
Observando o que acontecia, minha primeira conclusão foi que todo o mundo fazia uma dieta burra, parecida com a do Dr. Atkins: carne, verdura, duas colheres de arroz, uma de feijão, salada e quatro frutas por dia.

Conseqüentemente, ninguém agüentava segui-la por muito tempo. Foi, então, que me surgiu a idéia de que uma dieta só funcionaria se o indivíduo pudesse comer de tudo e comecei a catalogar os alimentos atribuindo a cada um deles uma unidade chamada pontos. Não se trata de nenhuma novidade porque quem inventou os pontos foi Deus quando criou as calorias. Cada ponto vale 3,6 calorias.

No Sistema de Pontos, a pessoa pode comer de tudo, mas precisa ir anotando o que comeu para controlar o número de pontos ingeridos num dia e que não pode ultrapassar uma quantidade previamente calculada de acordo com seu peso, idade, sexo e atividade física.

Não adianta nada a pessoa conhecer a tabela de pontos se não houver certa interação com uma nova filosofia que pressupõe conhecimento do processo e determinação.

Hoje vou comer feijoada, mas amanhã farei refeições menores para compensar. Nas dietas tradicionais o que acontecia? O sujeito quebrava o regime e comia feijoada. Pronto! Achava que tinha estragado tudo e desistia da dieta. No Sistema de Pontos, feijoada não é um prato proibido desde que no dia seguinte a pessoa consiga compensar a extravagância ingerindo menos calorias.

Uma das vantagens da dieta dos pontos é praticidade e comodidade, já que a pessoa pode comer de tudo desde que não ultrapasse o limite de pontos. Além disso, a tabela da dieta dos pontos é mais fácil de ser utilizada do que memorizar o número de calorias de cada alimento.

Outro fator que pode ser positivo é que, como a pessoa tem liberdade para comer o que gosta desde que não ultrapasse o limite de pontos, há maiores probabilidades dela não abandonar a dieta.

Se por um lado a liberdade de escolha dos alimentos torna a Dieta dos Pontos tentadora, por outro ela pode tornar-se danosa à saúde.

A Dieta dos Pontos vai de encontro ao que se entende por dieta balanceada, nos quais os alimentos devem ser distribuídos proporcionalmente entre carboidratos, gorduras e proteínas.

A nutricionista Marília Fernandes, especialista em Nutrição em Saúde Pública pela Escola Paulista de Medicina faz críticas à dieta: “O foco está apenas no valor calórico dos alimentos e não no valor nutricional.

Se privarmos nosso organismo de nutrientes essenciais ao seu perfeito funcionamento, podemos acabar desenvolvendo a ‘fome oculta’, que, a longo ou médio prazos, pode acarretar uma série de doenças, como osteoporose, diabetes, problemas cardiovasculares e hipertensão, por exemplo.”

%d bloggers like this: